Delegate Chain Invocation

Callback functions são blocos de código executável que são passados como parâmetro para outro código, que fica responsável por invocá-los quando apropriado.

O modo como callback functions são suportados em cada linguagem de programação é diferente, mas são frequentemente implementados como subrotinas, expressões lambdas ou ponteiros de função.

O tratamento das linguagens não-gerenciadas sobre os callback functions é limitada a apenas um endereço de memória. Este endereço de memória não contém nenhuma informação adicional sobre o tipo de retorno, o número de parâmetros ou os tipos de dados dos parâmetros.

Saiba mais

Sobre estes anúncios

Gerando registros de log automáticos com o Entity Framework

Uma tarefa bastante recorrente durante o desenvolvimento de sistemas é a criação de rotinas de log. E o Entity Framework facilita a nossa vida quando temos de fazer isso.

Com o Entity Framework podemos criar uma customização que encapsule os comandos que serão enviados para o banco de dados e então adicionar uma lógica que gere os registros de log necessários para cada operação.

log de dados

Saiba mais

Construindo camadas de acesso a dados – Parte V – Unity of Work

O padrão Unit of Work mantém um rastreamento sobre todas as alterações que possam alterar sua fonte de dados durante uma transação. Assim, quando todas as alterações já tiverem sido executadas o padrão fica responsável por persistir todas na fonte de dados.

Geralmente, não somos responsáveis por implementar este padrão, acabamos por consumi-lo em ferramentas de persistência, como: Entity Framework, NHibernate e LINQ to SQL.

Saiba mais

Visual Studio Summit 2013: Patterns para criação de camadas de acesso a dados

Olá!

No último sábado (25/05/2013) tive a honra de participar do Visual Studio Summit 2013.

Participei da edição de 2012 com o tema “Principais novidades do Entity Framework 5″ (http://ferhenriquef.com/2012/09/24/visual-studio-summit-2012-principais-novidades-do-entity-framework-5-0/).

Este ano apresentei um conteúdo mais próximo aos tópicos de arquitetura e modelagem de software, falei sobre o tema “Patterns para criação de camadas de acesso a dados”.

Saiba mais

Construindo camadas de acesso a dados – Parte IV – Padrão “Find or Create”

Continuando a série de posts sobre camadas de acesso a dados (se vc não sabe do que estou falando clique aqui: Camadas de Acesso a Dados). Existe um padrão que comumente utilizamos e que não fazemos ideia de que este realmente é um padrão documentado e utilizado por muitos, este é o padrão “Find or Create”.

Este padrão consiste da característica de: buscar um determinado dado na fonte de dados e, se o mesmo não for encontrado, então fazer a sua inclusão. Pode parecer simples, mas é um recurso bastante comum que utilizamos no nosso dia.

Saiba mais

Construindo camadas de acesso a dados – Parte II – Identity Field

Dentro dos diferentes patterns de criação de camadas de acesso dados alguns deles não estão diretamente associados à construção de nossos repositórios, mas estão associados com a adequação da estrutura de nossas entidades a um determinado objetivo.

Este post é sobre um pattern chamado Identity Field.

O padrão Identity Field instrui a utilização de uma propriedade que funcione como chave de identificação de cada entidade das demais, independente do seu tipo de dados, tabela na qual estão salvos ou estrutura.

O objetvo desta chave de identificação é basicamente funcionar como identificador global, que ao contrário dos valores de campos que são chaves primárias (que geralmente são baseados em tipos inteiros, auto-incrementais e que podem se repetir em outras tabelas), agregue uma identificação única daquela tupla no banco de dados e no sistema.

Saiba mais

Construindo camadas de acesso a dados

A principal motivação para o uso de uma camada de acesso a dados (data access layer, DAL) em nossa aplicação é manter os códigos (e as tecnologias) de acesso a dados encapsulados em uma camada que fique responsável por comunicar-se com a fonte de dados, persistindo e recuperando dados de nossas entidades.

Uma camada de acesso a dados deve fornecer recursos para criação, leitura, atualização e exclusão de dados, além de controles de transação, segurança, mapeamento, concorrência, e outros. A sua criação favorece o uso de uma administração centralizada que separa o comportamento da camada de negócios das lógicas de acesso a fontes de dados e serviços.

data-net

Saiba mais

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 69 outros seguidores