Construindo camadas de acesso a dados – Parte V – Unity of Work

O padrão Unit of Work mantém um rastreamento sobre todas as alterações que possam alterar sua fonte de dados durante uma transação. Assim, quando todas as alterações já tiverem sido executadas o padrão fica responsável por persistir todas na fonte de dados.

Geralmente, não somos responsáveis por implementar este padrão, acabamos por consumi-lo em ferramentas de persistência, como: Entity Framework, NHibernate e LINQ to SQL.

Leia mais deste post

Anúncios

Construindo camadas de acesso a dados – Parte IV – Padrão “Find or Create”

Continuando a série de posts sobre camadas de acesso a dados (se vc não sabe do que estou falando clique aqui: Camadas de Acesso a Dados). Existe um padrão que comumente utilizamos e que não fazemos ideia de que este realmente é um padrão documentado e utilizado por muitos, este é o padrão “Find or Create”.

Este padrão consiste da característica de: buscar um determinado dado na fonte de dados e, se o mesmo não for encontrado, então fazer a sua inclusão. Pode parecer simples, mas é um recurso bastante comum que utilizamos no nosso dia.

Leia mais deste post

Construindo camadas de acesso a dados – Parte III – Repositórios Genéricos (Pantheon)

O padrão Repository é muito utilizado em abordagens que fazem uso de ferramentas de mapeamento objeto relacional (ORM). O objetivo deste pattern é reunir comandos de acesso a dados em uma classe que por meio dos recursos de generics faça as operações de inserção, atualização, exclusão e recuperação de dados.

clip_image002

Leia mais deste post

Construindo camadas de acesso a dados – Parte II – Identity Field

Dentro dos diferentes patterns de criação de camadas de acesso dados alguns deles não estão diretamente associados à construção de nossos repositórios, mas estão associados com a adequação da estrutura de nossas entidades a um determinado objetivo.

Este post é sobre um pattern chamado Identity Field.

O padrão Identity Field instrui a utilização de uma propriedade que funcione como chave de identificação de cada entidade das demais, independente do seu tipo de dados, tabela na qual estão salvos ou estrutura.

O objetvo desta chave de identificação é basicamente funcionar como identificador global, que ao contrário dos valores de campos que são chaves primárias (que geralmente são baseados em tipos inteiros, auto-incrementais e que podem se repetir em outras tabelas), agregue uma identificação única daquela tupla no banco de dados e no sistema.

Leia mais deste post

Construindo camadas de acesso a dados

A principal motivação para o uso de uma camada de acesso a dados (data access layer, DAL) em nossa aplicação é manter os códigos (e as tecnologias) de acesso a dados encapsulados em uma camada que fique responsável por comunicar-se com a fonte de dados, persistindo e recuperando dados de nossas entidades.

Uma camada de acesso a dados deve fornecer recursos para criação, leitura, atualização e exclusão de dados, além de controles de transação, segurança, mapeamento, concorrência, e outros. A sua criação favorece o uso de uma administração centralizada que separa o comportamento da camada de negócios das lógicas de acesso a fontes de dados e serviços.

data-net

Leia mais deste post