Captura de dumps de memória com o Debug Diag

Uma das ferramentas mais populares na coleta de dumps de memória é o Debug Diag (http://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=42933). Atualmente na versão 2.1, este utilitário permite que a coleta de dumps seja feita em um formato mais completo, sem perda de informações relevantes.

Uma das principais vantagens do uso do Debug Diag é a coleta de dumps a partir de triggers.

Como apresentado na imagem abaixo, podemos notar que o Debug Diag nos fornece três regras básicas para a criação de triggers coletoras de dumps de memória.

clip_image001

Saiba mais

2015 – Novos planos e rumos

Recebi este ano o convite para me juntar a Microsoft como funcionário e, assim passar a contribuir internamente com o crescimento e evolução da empresa.

Desde Dezembro de 2013 vinha atuando com vendor (dentro do projeto Green Badge) no time de Premier Field Engineers (PFE). E, desde Setembro deste ano, atravessei a ponte e me tornei full time employee (FTE).

Desta forma, como regra, a partir do dia 1 de Janeiro de 2015, deixo o programa Microsoft MVP. Agradeço a ajuda do JP Clementi e da Fernanda Saraiva, MVP Leads durante os meus três anos dentro do programa. Espero que o programa Microsoft MVP continue crescendo e evoluindo, como tem o feito há 21 anos.

Acredito que os leitores do blog perceberam a ausência de novos posts nos últimos meses. Esta ausência deve-se ao fato da minha fase de preparação para os novos desafios que tem “aportado”, além na necessidade de evoluir profundamente em diferentes frentes.

Não deixarei de postar novas informações, apenas irei adequar o conteúdo do blog para um nível mais alto, com conteúdo mais profundo. O foco do próximo ano será o conteúdo com o qual tenho me deparado no dia-a-dia: Azure, ASP.NET, troubleshooting, Windows internas, IIS, performance de aplicações .NET e CLR.

2015 será um ano de desafios, mas sobretudo: será um ano de oportunidades. Espero que todos que leem esse post tenham um excelente ano e que consigam atingir todos os objetivos que almejam.

Obrigado, e até o próximo post.

Saiba mais

Feliz Natal 2015

tree

I hate reading other people’s code

FB_20141022_06_21_54_Saved_Picture

Saiba mais

Is your data safe?

Data Safety Chart

Saiba mais

GZipStream – Compress/Decompress

O .NET Framework fornece recursos para compressão e descompressão de arquivos.

Dentre estes recursos temos a classe GZipStream, responsável encapsular manipulações em arquivos no formato gzip. O formato gzip é bastante popular e pode ser encontrado em muitas ferramentas de compressão.

th

Saiba mais

Busca binária

O objetivo deste post é apresentar um meio eficiente de busca de objetos em memória.

O surgimento da sintaxe LINQ, assim como a utilização de query methods, facilitou a busca em memória. Com estes recursos podemos facilmente executar queries em arrays, coleções e listas de tipos genéricos. O uso deste modelo de sintaxe agiliza o processo de desenvolvimento por tornar a busca em memória trivial e de simples codificação.

Mas, ao adotarmos esse modelo de sintaxe, estamos realmente escrevendo código performático? Será que essas consultas em memória são o modelo mais rápido de pesquisa? Não estaríamos perdemos poder computacional ou tempo de processamento ao adotar estes recursos em determinados cenários de pesquisa em memória?

Dada a necessidade de executar consultas eficientes e com baixo custo computacional, passamos a evitar consultas que consumam muitos recursos computacionais e que sejam lentas.

A busca binária é um algoritmo de busca que segue o paradigma da divisão e conquista. Partindo do pressuposto de que o conjunto de elementos está ordenado, são executadas diversas divisões do espaço de busca restringindo o possível local no qual o elemento buscado está posicionado. A imagem a seguir ilustra o processo de divisão do conjunto de elementos realizado pela busca de elementos.

clip_image002

Saiba mais

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 73 outros seguidores